Travessia Chapada das Perdizes

Travessia da Chapada das Perdizes

Num país tão grande como o Brasil é incrível que a maioria dos trilheiros contentem-se em repetir, ano após ano, sempre as mesmas trilhas clássicas, muitas já demasiado batidas,  enquanto tantas opções pouco conhecidas continuam virtualmente virgens a espera de quem se aventure a percorre-las. A travessia da Chapada das Perdizes é uma dessas últimas, percorrendo a crista das serras que contornam Carrancas, ao norte e leste, e depois passando pela Chapada das Perdizes propriamente dita, descendo, ao final, até Minduri..

Decidido a percorre-la, e não encontrando quem se dispusesse a acompanhar-me, parti na última quinta, à noite, rumo a Itutinga, no ônibus das 21:30, da Gardênia. O horário das 22:30 seria até preferível, mas não havia mais lugar.

Após a primeira parada em Lavras e a segunda num lugarejo chamado Macuco,de que nunca tinha ouvido falar, desci na terceira parada, em Itutinga, na esquina logo após o trevo da cidade. E bom avisar o motorista que você vai descer lá, pois se nenhum outro morador for descer também é bem capaz de você passar batido pela cidadezinha, a qual consiste em algumas poucas ruas em torno da tradicional pracinha em frente à igreja.

Cheguei lá pelas 5:00, provavelmente bem mais tarde do que num fim de semana normal, devido ao congestionamento no começo da Dutra até a saída para a Fernão Dias, de qualquer forma pegando o ônibus das 22:30 deve-se chegar lá por essa hora mesmo.

Sem nada para fazer até o dia clarear circulei pelas poucas ruas, e localizei a saída para Carrancas direção  para onde seguiria. Sem ter certeza quanto ao horário do ônibus para Carrancas, de cada  um para quem perguntei obtive uma resposta diferente, e resolvido a ganhar tempo, postei-me a saída da cidade e tentei conseguir uma carona. Sem sucesso. Pelas 8:20, chegou o ônibus de Lavras para Carrancas. Tomei-o (preço R$ 4,60 ) e em meia hora percorri os 20 km até o alto da serra, logo após as placas da divisa Itutinga-Carrancas e do km 20, junto a placa da pousada Mahayana, desci do ônibus.

  1. Dia de caminhada

Eram quase 9:00, tomei então a estradinha à esquerda ( Leste ) e segui-a, tendo quase sempre visão da baixada ao norte, onde desponta os braços da represa de Camargo. Nas bifurcações tomei sempre À esquerda, os ramos direitos dão acesso a duas pousadas. Quando se abre uma visão à direita, vemos lá embaixo a cidade de Carrancas.

Aos 25 minutos de caminhada, uma porteira trancada me obrigou a pula-la. Mais à frente, quando um duplo sulco sai à esquerda, tomo-o e sigo tendo visões da baixada ao norte. O sulco duplo acaba virando único e, cada vez mais apagado, acaba voltando a encontrar, aos 50 minutos de caminhada, a estradinha de onde saímos. Na seqüência, atravessei uma matinha, onde uma nova porteira, esta aberta, é cruzada. Saindo novamente no aberto, após uma descida, na subida peguei a direita na primeira bifurcação e depois a  esquerda na segunda, mantendo o rumo leste, sobre a crista.

Após uma descida, cruzei um mata-burro e desemboquei numa nova estradinha que vem de Carrancas em direção a Capela do Saco, sendo considerada parte da estrada real, de fato à direita há um marco de concreto da estrada real. Tomei então à esquerda, e segui por cerca de 1 km, desprezando uma primeira saída à direita e quando a estrada cruza uma matinha, junto a um novo marco da estrada real, parei para um lanche e uns goles d´ água.  Tomei então, o trilho à direita, subindo um pouco e então descendo pelo pasto, já avistando a trilha na encosta oposta.

Após passar por uma cerca e cruzar um riacho ( Primeira água no caminho ) subimos a encosta por um trilho erodido, passamos por outra porteira, cruzando um matinha. Assim que acaba a mata à direita, abandonamos a trilha por onde vinha, tomei o primeiro trilho saindo à direita ( Sudeste ).

Seguindo então nesse rumo, passei então por uma porteira no meio de um cinturão de mata, subi a um alto rochoso, desci e no nova subida passei  por uma árvore entre três pedras, mais uma pausa à sombra e alguns goles d´ água, nessa altura já passava do meio-dia e o sol estava de rachar.

Continuando a caminhada, após atingir o alto do próximo morro, o trilho desemboca em um carreiro mais largo,o qual tomei para a direita,  passando por uma mureta de pedras e depois de uma descida de 15 minutos, alcançamos uma segunda mureta.

Neste ponto antes de passar a mureta, descendo por uma trilhazinha, chega-se em um minuto a um carreiro mais largo, fechado à esquerda por uma porteira de arame. Tomando-o então para a direita, em pouco tempo ele acaba numa matinha. Mais abaixo, à esquerda, temos uma grota por onde deve descer um riachinho. Desci um pouco, mas como a mata estava muito fechada e eu, preocupado com a falta de água, comecei a caminhada com 4 litros de água e ainda contando neste momento com 3,5, desisti de descer até lá, mas cheguei a ouvir o barulho de água. Mais fica a lição, quem quiser começar com menos água, pode se abastecer neste ponto, que acredito, não deve secar nunca, de qualquer formar, não recomendo iniciar a caminhada com mais 3 litros, que já devem ser o  bastante.

Voltando a caminho, depois de  alguns sobes e desces e  na seqüência de uma subida maior, passei por baixo de uma linha de força e comecei então a descer em direção da estrada que liga Carrancas com São Vicente de Minas. Na descida passa-se por várias casinhas que abrigaram, e pelo menos uma ainda abriga, repetidoras com suas antenas. Na sombra dessa última, parei para uma descanso, alguns goles d´água e um lanche.

Pelas 14:30, já com 5 horas e meia desde o começo da caminhada, cruzei a estrada, bem no seu ponto mais alto. Do outro lado, subi um degrau no barranco e passei por uma brecha na cerca. Subindo sem trilha pelo pasto baixo. Mais acima, encontra-se uma trilha cruzando na diagonal da direita para a esquerda. Seguindo por ela, alcançei o canto entre duas linhas de árvores, cruzei por elas e segui contornando o próximo morrote. Subi-lo também deve ser uma boa pedida, já que a face leste do mesmo, pude ver mais tarde, é quase vertical, dando uma bonita visão do leste e dos braços da represa dos Camargos mais além.

De qualquer forma contornei a meia altura o morro, seguindo um trilho pelo pasto. No selado a frente, passei por uma cerca caída e segui para a direita,  passando por baixo de outra cerca e , subi o morro  pelo pasto, sem trilha, escalaminhando por alguns degraus rochosos. No topo, voltei ao rumo sul, passei por baixo de outra cerca e segui rumo a uma trilha que avistei mais abaixo.

Subi então pela trilha até o alto do próximo morro,  passei por um mureta com a sua cerca e subindo ao topo do próximo morro cheguei a um ponto que deve ser o melhor para acampar em toda caminhada, com visão 360 graus, Carrancas à direita lá em baixo, outras cidadezinhas a esquerda, e toda a crista por onde vínhamos para trás e a frente o trecho que por onde ainda passaríamos. Mas ainda era só 16:00, muito cedo para parar, então resolvi prosseguir mais um pouco.

Descendo no rumo sul, vemos que um cinturão de mata obsta toda a nossa frente. Comecei a procurar uma passagem para a esquerda e realmente achei uma trilha que bordejava as primeiras árvores e depois entrava na mata. Na mata os trilhos se entrecruzavam, segui sempre pelo mais aberto, tentando não desviar muito para a direita. O trecho é pouco chato, e acabei com diversos cortes feitos pelo bambuzinhos, mais em 15 minutos emergimos no aberto novamente e subi até o alto do próximo morro, descendo novamente pela trilha e passando por um novo e curto cinturão de mato. No alto do novo morro, passamos entre afloramentos rochosos e ao cruzar uma cerca, sendo já 17:00, resolvi parar por ai mesmo, o visual era aberto a leste e para oeste era só passar por entre alguns blocos para enxergarmos o horizonte. Armei a barraca, comi alguma coisa e fiquei sobre um dos blocos rochoso admirando o por-do-sol. Após mais algum tempo de observando do céu noturno e saboreando a sobremesa, e ainda antes das 19:00, entrei dentro do saco-de-dormir e mergulhei no mundo dos sonhos.

  1. Dia de caminhada

Acordei as 5:50, pouco antes do nascer do sol, e ainda pude admira-lo. A noite foi amena, mas a manhã ainda estava um pouco fria e com vento. Voltei a barraca para o café da manhã, mas pelas 7:15, já tinha tudo guardado e a mochila às costas e prossegui deixando para trás o labirinto de blocos rochosos junto aos quais acampara. Seguindo então no rumo  sul-sudeste, em pouco tempo encontramos um abismo a frente. Tomamos então a direita, descendo , passamos entre duas matinhas e depois de cruzar mais um campinho em direção a um cercado de arame que já vemos de longe. Passamos então pela porteira logo atrás do cercado, entrando na mata e descendo por canaletas erodidas até o fundo de um selado, subindo depois do outro lado. Quando a trilha bifurca na subida, tomei a esquerda e prossegui até sair no aberto. Continuei subindo até acercarme de uma mata a frente. Cruzando então a trilha que corre da direita para a esquerda. Tomei-a para a esquerda, bordejando a morro a frente. À esquerda temos a vista da brecha que contornamos e depois, mais atrás, de toda a crista percorrida  de norte a sul. Também vemos as baixadas a leste e a represa ao longe.

Quando alcançamos um cocho de pneu, junto a uma árvore isolada à esquerda. Abandonei a trilha e tomei o rumo sul pelo pasto, sem trilha, descendo o morro em direção ao cinturão de árvores abaixo. Do alto procurei o trecho mais estreito para atravessa-lo. Hesitei entre dois pontos um à esquerda e outro ligeiramente à direita. Descendo a encosta passamos por trilhas transversais que não levam a nada, ignorei-as. No fundo tentei primeiro à esquerda, onde vislumbrei um trilho, mais o trilho segue para a esquerda sem cruzar a mata, tentei força passagem nesse ponto, mais ali a mata era muito emaranhada, não avancei nem 2 metros antes de ficar todo enrolado. Voltei e tentei o outro ponto à direita, onde a mata parecia mais estreita, com um a língua de pasto do outro lado. Não há trilha, é preciso forçar passagem no peito. Nas primeiras dezenas de metros foi mais difícil, depois a mata ficou mais aberta e em pouco tempo alcancei um degrau, junto ao riacho que passa no centro, desviando alguns metros para a esquerda, consegui saltar até junto d’água. Eram 9:00 e parei para pegar um pouco d’água e um lanche. Ali percebi como tinha me excedido ao levar 4 litros porque ainda tinha 1,5 litros e já tinha onde reabastecer. Após essa parada, subi o degrau do outro lado do riacho e cortei o restante da mata, desviando-me de um bloco rochoso. Quando sai no aberto, continuei subindo o pasto, sem trilha, no rumo sudeste até o ponto mais alto.

No alto, passando ao lado de um curral, subi mais um pouco, passei por outra porteira, essa de metal, avistando uma estrada na direção sul-sudoeste. Desci pelo trilho na direção sudeste, rumo a mesma estrada, só que daqui ainda não a vemos, mas em minutos estamos nela e cruzando-a tranversalmente, no rumo de uma trilha na encosta a frente, segui por um trecho sem trilha até alcançar essa trilha que sobe a encosta até o alto e então some. Seguindo mais um pouco pelo pasto no mesmo rumo, alcançamos outra estrada que sobe da esquerda.

A chegar a estradinha, tomei-a para a direita, subindo, passando por uma matinha e após mais alguns sobes e desces, eventualmente com vista da crista percorrida, seguimos em direção a paredão, passamos por uma porteira, com placa “entrada proibida” ( por sorte estava saindo ! ) e subitamente encontrei uma casa ocre, recentemente construída, e belamente adornada e mobiliada. Não havia ninguém nela. Pode-se pegar água ali também, já que há mais de uma torneira do lado de fora e até um chuveiro ! Logo a frente na bifurcação tomei a direita, em minutos pulei uma porteira trancada  e, 10 minutos depois da casa, quando a estrada toma rumo norte, se afastando dos paredões, abandono a estrada e procuro uma trilha à esquerda, beirando as paredes. A trilha foi feita para passagem de uma mangueira preta, seguindo-a, em 5 minutos avistamos uma cachoeira caindo no despenhadeiro à direita em seguida alcançando o riacho que a forma, cruzando-o e subindo alguns metros de encosta, saímos num final de estradinha.

Tomei então essa estradinha para a direita ( a esquerda não dá em nada ) e na bifurcação a frente tomei à esquerda e na próxima a direita. A estradinha passa entre plantações de uma planta com caule e folhas vermelhas ( qual espécie ? ). Mais a frente  a estradinha vira um trilho entre a plantação, mais ao longe avisto uma estrada mais batida na encosta, sigo para lá. Tomei esta estrada para a esquerda e logo passo por uma  porteira, de novo com a popular placa  “entrada proibida” , seguindo até uma bifurcação na borda da chapada, de onde já avistamos a cidade de Minduri lá embaixo e ao longe,o pico do Papagaio com suas inconfundíveis 3 corcovas. Tomei então para a direita, seguindo no rumo oeste por 2 km, até passarmos por uma porteira e começando então a íngrime descida.

Era 12:30 e o sol forte não dava trégua. A estrada agora é batida, descendo aos zigue-zagues, passando por diversas  porteiras até alcançar a primeira fazenda, junto ao vale do ribeirão da Prata. Passei então por mais algumas fazendolas e cruzando o dito ribeirão, passamos pelo recanto do Vorney, com sua cachoeira, atração turística local. Após isso a trilha sobe até uma crista de onde temos nova vista da cidade, agora mais perto. Voltamos então a descer. Ao cruzar mais um riacho, temos mais uma subida impertinente e então descemos o trecho final, passando pela estação de tratamento de água da COPASA, cruzamos a linha de trem e tomando para a esquerda em minutos chegamos ao trevo na entrada da cidade. Mais alguns minutos e chegamos ao centro da cidade. Como não há rodoviária, a passagem de volta pode ser comprada numa lojinha logo em frente ao banco do Brasil. O ônibus passa pelas 22:30 vindo de Andrelândia, podendo ser tomado no ponto coberto mais à frente, junto ao hotel Avenida.

No hotel, que também é restaurante e boteco, tomei  uma cocas geladas e por R$ 3,00 tomei também um banho. Como tinha chegado ali pelas 16:30 e ainda era 18:00, resolvi dar umas voltas pela cidade, não que tivesse muito que ver nela, mas mais a frente, na mesma rua principal por onde chegamos e que é também a estrada que vem de Cruzília e segue para Andrelândia, quase na saída para esta, encontrei outro restaurante ( da Célia ) que achei mais simpático, e onde acabei jantando. Banhado e jantado, não me restou outra opção além esperar até as 22:30 quando passaria o ônibus, e que aliás só passou as 22:40. A volta foi no mundo dos sonhos, só acordei no tiête às 6:30 do domingo, ainda com o dia inteiro de folga.

Enfim, esta é uma caminhada que recomendo: deserta ( não vi ninguém até o meio da descida , nas primeira fazendas ), desconhecida, com largos visuais,sem lixo, sem os regulamentos tacanhos dos parques e nem tão seca quanto pensava que fosse, uma alternativa viável para um fim de semana, e até, se houver mais tempo, pode-se descer até Carrancas e visitar algumas de suas cachoeiras.

2 ideias sobre “Travessia Chapada das Perdizes

  1. Lideraldo

    Muito bacana o relato! E é o tipo de coisa que gosto! Ou seja rumo ao desconhecido! Porém senti falta da data da travessia, época do ano etc!

    Resposta

Deixe uma resposta para Lideraldo Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s