Relato: Circuito Colina-Boa Vista

O bairro da Colina em Itamonte fica no sopé da serra da colina. Um curto circuito pode ser feito percorrendo toda crista desta serra, cujo ponto mais alto é conhecido como pico da Boa Vista.
Saindo de Itamonte, na direção da Garganta do Registro, deixo o asfalto 3 km depois, no bairro do Picuzinho. Tomo a saída à esquerda e em pouco o calçamento acaba. Sigo em frente subindo por estrada de terra. Alguns quilômetros a frente, após curta descida, passo pelo bairro de Ilha Grande e continuo a subir. Cerca de 12 km do centro de Itamonte, chego enfim ao bairro. Estaciono junto ao campo de futebol, próximo a um sobrado verde de esquina que funciona como bar.
Comecei a caminhada já um pouco tarde, às 11:50. Sigo pela rua à direita do bar. Logo saio do bairro e passo pelo hotel fazenda Terra de Gosen, à direita. A estradinha tem agora um trecho calçado de bloquetes. Continuo subindo rumo ao selado mais acima,passando por dois sítios à esquerda, o segundo já quase no alto.
A estrada passa então a descer, cruzando um riacho ao fundo do vale. Durante a descida avisto o Picu acima e a frente por entre as nuvens. Sigo até uma saída à esquerda sinalizada pela placa da pousada Abrigo das Águas, tomo então a estradinha agora mais estreita rumo a pousada. Começo então a subir lentamente bordejando o outro lado do vale.
Passo por uma bonita casa à direita e logo após a estrada faz uma curva para a esquerda e chega a uma porteira de arame. Ali abandono a estrada e tomo a trilha à direita. Há na boca da
trilha uma bica que é a última fonte de água de fácil acesso até a descida do pico. Por ali paro para um lanche e alguns goles d’água. Até ai cerca de 1 hora de caminhada.
Sigo então pela trilha que logo entra na mata e continua a subir. Às vezes a mata se abre a esquerda e tenho um vislumbre da serra da Colina, posso então observar que a crista da serra que estava encoberta de nuvens vai, pouco a pouco se abrindo.
Cerca de uma hora após entrar na trilha e após cruzar dois riachos rasos, chego a uma
bifurcação. O ramo direito desce e desemboca na estrada que desce do Brejo da Lapa até o bairro da Vargem Grande, pouco abaixo da pousada dos Lobos. Porém sigo pela esquerda, subindo suavemente e me mantendo na crista da serra. Logo a vegetação se abre a esquerda avisto novamente a serra, agora de outro ângulo.
Dez ou quinze minutos após a bifurcação, chego a nova bifurcação, mais discreta, à direita, a trilha desce direto ao bairro da Vargem Grande. Paro por uns 10 minutos para um descanso e para mastigar algo.
Prossigo em frente pela crista subindo mais um pouco. A próxima saída à direita dá só acesso a um mirante de onde se avista todo o vale da Vargem Grande. Chego a uma bifurcação em T. À direita, a trilha desce para o bairro da Fragária. Sigo pela esquerda. Após mais um trecho pela mata saio no descampado que caracteriza a maioria do resto da crista.
Passo por uma saída à direita que aparentemente segue na direção do bairro de Campo Redondo, mais não tenho certeza. Sigo pela esquerda seguindo a borda esquerda da serra. Vou galgando sucessivos cocurutos. Passo uma porteira de arame e após passar uma última matinha chego ao final da serra: o cume do Boa Vista.
Tenho então ampla visão do vale abaixo com o bairro da Colina ao centro. Do lado esquerdo vejo o Picu, unha rochosa que se destaca da serra homônima. Antes dele o vale por onde subi, inclusive a casa bonita ao fim da estradinha. Atrás da serra do Picu tenho um vislumbre da serra
Fina envolta em nuvens. Do lado oposto vejo os vales a norte. Provavelmente com tempo mais aberto enxergaria o pico do Garrafão. Enfim o tempo se escoava. Tendo chegado ali às 15:45, sai dali às 16:00.
Descendo para a direita, sem trilha, intercepto a trilha mais abaixo, tinha abandonado a trilha mais atrás para alcançar o cume. A trilha desce bordejando  a crista íngreme por um tempo antes de passar a descer mais rápido aos zigue-zagues. Chego a nova bifurcação, o ramo direito segue na direção do Campo Redondo. Sigo descendo pela esquerda e logo chego a outra
bifurcação. A direita desce para o bairro de Jequeri. Sigo pela esquerda novamente. A trilha nivela e vai bordejando por um tempo. Depois vira para a direita e desce por uma crista que separa o vale da Colina do de Jequeri. Enfim a trilha desce para a esquerda. Cruzo uma cerca e sigo descendo.
Avisto uma casa à direita com um deck de madeira mais abaixo. A trilha segue em nível para a esquerda até que desemboca num final de estrada.  Agora a descida segue por estrada, íngreme e constante. Passo por alguns sítios até chegar ao fundo do vale. Cruzo um rio por uma pinguela e num instante desemboco na Colina. O percurso todo levou 5:30 hs de caminhada
forte, O desnível total de cerca de 900 metros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s