Relato: Três picos do Itatiaia

        Faz tempo que queria conhecer a trilha dos três picos no parque de
Itatiaia, a única trilha maiorzinha na parte baixa do parque, se
descontarmos a travessia Ruy Braga que une a parte baixa a parte alta. Nesse
domingo surgiu a oportunidade.Fomos eu e o Rafael.
     Acordamos cedo e saindo de Penedo, onde dormimos, seguimos para o
parque. Cruzamos a portaria e subimos a estrada, passando pela entrada da
trilha, que parece ter sido recentemente sinalizada. A placa estava até
cheirando a nova. Estacionamos logo a frente, num espaço em frente a entrada
do hotel Ypê. Outro carro já estava ali e um casal se preparava para fazer a
mesma trilha.
     Pegamos as mochilas e descemos até o início da trilha. Logo alcançamos
o casal e em pouco mais chegamos a uma bifurcação. Na dúvida seguimos em
frente para ver onde dava e não demorou muito para chegarmos aos fundos do
hotel Simon. Fechado há tempos pelo visto. Retornamos a bifurcação e tomamos
o ramo ascendente. O casal ficou para trás e certamente desistiu do passeio, pois não foi mais visto.
     A trilha, bem aberta, sobe um pouco mais forte até cruzar um riacho por sobre uma ponte de concreto! A partir dali a trilha fica mais fechada. A caracteristica geral da trilha é que ela é quase toda sob a mata, sombreada e fresca, mas também úmida e com muito pontos escorregadios já que o sol nunca bate no solo, causando tantos tombos a esse escriba que perdi a conta deles bem antes do fim. Por outro lado não é tão úmida que forme atoleiros.
     Após a ponte temos um longo trecho de aclive suave ao final do qual a trilha volta a subir mais forte. Chegamos a um trecho onde um degrau mais alto tem de ser escalado com o auxilio de raízes, porém há a alternativa. Uma variante sai à esquerda,um pouco antes, contornando o trecho e reencontrando a trilha mestra pouco acima.
     Mais um pouco e surge nova bifurcação, mas a direita leva apenas a um riacho, o qual já vamos reencontrar logo acima, de modo que nem vale a pena entrar ali,, nem mesmo para encher o cantil. Mais um zigue-zague, alcançamos e cruzamos o riacho por cima de lajes escorregadias. Ali temos, acima temos três pequenas quedas d’água, abaixo outras e um bonito poço de acesso bastante dificultoso. Paramos para fotos, encher os cantis e um curto descanso.
     A trilha prossegue do outro lado do riacho, passando por trecho repleto de raízes que atravessam a trilha e por uns tantos degraus rochosos, entremeados de trechos enlameados. A trilha volta a subir mais forte e temos saltamos diversas rochas cobertas de musgo.
     Até que chegamos a uma crista. A trilha nivela e depois passa a descer lentamente. Aos poucos começamos a avistar o pico mais alto, à nossa frente, em meio ao arvoredo.
     A trilha então sai da mata e passa a subir fortemente a enoosta do pico em meio a samambaias e arbustos. Alguns degraus rochosos são vencidos e começamos a avistar as encostas de mata da serra, encimada pelo que acreditamos ser o Prateleiras, no ponto mais alto de uma crista paralela a que estamos. Na mesma crista os maiores eminências são o Gigante e o Ovo.
     Enfim chegamos ao topo e após o cruzarmos chegamos ao mirante que sinaliza o final da trilha, de onde se avista o vale do Paraíba abaixo e a contra-encosta da serra da Bocaina no lado oposto. A vista logo abaixo mostra as cidades de Itatiaia, Engenheiro Passos mais à direita e à esquerda, bem maior, Resende e ainda preenchendo boa parte do campo visual a represa do Funil. Na Bocaina ficamos tentando identificar o pico do Tira o Chapéu e a Pedra da Bacia, sem conseguir ter certeza. A subida toda tomou-nos 2:45 hs.
     Após uma hora de comtemplação e de ter ainda conseguido avistar Penedo de um mirante lateral, fizemos um lanche e iniciamos a descida que consumiu 2:10 hs, sem surpresas. 

7 ideias sobre “Relato: Três picos do Itatiaia

  1. Stella Moreira Lima

    Quase dois anos depois do seu relato, ontem fomos eu e o meu namorado fazer a trilha de três picos. Acabamos saindo um pouco tarde da pousada e começamos a trilha por volta de 11h30.
    A subida demorou um pouco mais, porque paramos algumas vezes para descansar e quando o relógio bateu 14h30 tínhamos terminado de passar as pedras finais cobertas de musgo.
    Pelo seu relato entendo que chegamos perto do fim da trilha, mas resolvemos descer para não correr o risco de estar na trilha ainda quando o céu escurecesse.
    Foi uma ótima experiência, mas infelizmente não chegamos ao final.
    Muito obrigada pelo post! Muito bem descrito todo o percurso!

    Resposta
  2. Stella Moreira Lima

    Apenas para registar caso alguém mais leia as publicações: para subir sem preocupações, tentem sair bem cedinho, 9h no máximo, para não terem que voltar pertinho do fim! rs

    Resposta
  3. Marcos

    Fizemos está trilha em 28/05/2016 e seguimos este relato, o qual foi essencial nos ajudou muito,pois a trilha parece estar abandonada, sem sinalização, e em alguns trechos está quase fechada, parecia ter chovido à noite na parte alta e estava altamente escorregadio.Na descida encontramos com outro grupo subindo o qual havia se perdido na cachoeira entrou no outro sentido e perdeu um bom tempo, acredito que se não tivesse seguido o relato do Colombini a probabilidade de acontecer o mesmo conosco seria grande.
    Mas valeu a experiência e obrigado pelo relato.

    Resposta
  4. Lucas

    A ”trilha maiorzinha” da parte baixa é a trilha para o pico do Ovo, dificuldade alta, muito ingrime, subida de quase mil metros…

    Resposta

Deixe uma resposta para ronaldcolombini Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s